Tecnología

Líderes tucanos e aliados de Doria pedem que Leite fique no PSDB: 'Alinhado com minhas preocupações', diz governador

Quem são os pré-candidatos à Presidência em 2022 Após anulação das condenações na Lava-Jato, Lula reestabeleceu os direitos políticos e afirmou que anunciará em 2022 se irá concorrer. Foto: Edilson Dantas O presidente Jair Bolsonaro cada vez se mostra mais claramente candidato à reeleição e se filiou ao PL para concorrer no ano que vem. Foto: Isac Nóbrega/PR Sergio Moro se filiou ao Podemos e anunciou estar pronto para "liderar" um projeto para o país. Foto: Fabio Pozzebom / Agência Brasil Terceiro colocado nas últimas eleições, Ciro Gomes quer ser a opção da esquerda para derrotar Bolsonaro em 2022. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil / Agência O Globo O governador de São Paulo venceu as prévias do PSDB em novembro e se tornou oficialmente o pré-candidato à Presidência do partido. Foto: Roberto Casimiro Fotoarena / Agência O Globo Pular PUBLICIDADE O MDB anunciou que vai oficializar em dezembro a candidatura de Simone Tebet, após a senadora chamar atenção na CPI da Covid. Foto: Cristiano Mariz / Agência O Globo 26/06/2021 Após convenção do PSD, Pacheco deu pontapé em pré-candidatura à presidência em 2022 Foto: ADRIANO MACHADO / Reuters O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) lançou a sua pré-candidatura no partido. Foto: Roque de Sá/Agência Senado 19/11/2019 O partido Novo oficializou o nome do cientista político Luiz Felipe D'Avila como pré-candidato do partido à Presidência. Foto: Reprodução / Instagram O Avante lançou o deputado federal de Minas Gerais André Janones como pré-candidato ao Palácio do Planalto. Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados Pular PUBLICIDADE Candidata à vice-presidente da República em 2014, Sofia Manzano, formada em Ciências Econômicas pela PUC-SP e doutora em História Econômica pela USP, é a pré-candidata à Presidência do PCB, partido em que atua desde os 17 anos. Foto: Divulgação Vera Lúcia é formada em Sociologia pela universidade Federal do Sergipe e nunca ocupou cargo político, ainda que tenha se candidatado à presidência pelo PSTU em 2018 e a prefeitura de São Paulo em 2020. Foto: Foto: Romerito Pontes Chama atenção ainda que o documento pró-Leite tem inclusive o apoio de aliados do governador João Doria. Ele, porém, não assinou a carta. Quem o fez foi um dos seus apoiadores mais fiéis: o presidente do diretório estadual de São Paulo, Marco Vinholi

Mas não só. Há ainda outros casos de parlamentares próximos a Doria e que trabalharam pelo paulista nas prévias e que também endossaram a permanência do gaúcho. Foi o caso do deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), da senadora Mara Gabrili (PSDB-SP) e do deputado federal Nilson Pinto (PSDB-PA)

PUBLICIDADE Bancada invisível:  Saiba quem são os deputados federais com mais faltas sem justificativa

O gesto dos aliados de Doria não são por acaso. A entrada de Leite na disputa da terceira via pelo PSD poderia fragmentar mais ainda o campo de centro e dificultar o caminho do paulista

Em um dos trechos do documento, os tucanos dizem a Leite que não admitem a possibilidade de sair do partido em um momento “crucial” da história do país em meio aos “extremos” representado pela polarização entre o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro

SÃO PAULO — Lideranças do PSDB divulgaram nesta sexta-feira uma carta em que pedem que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, fique na sigla e desista de voltar à corrida presidencial pelo PSD de Gilberto Kassab. Leite disse que ficou “sensibilizado” com a iniciativa e, em uma rede social, escreveu que deve continuar o diálogo interno com o partido, que demonstra estar “alinhado” com suas preocupações.

O documento conta com a assinatura de 28 integrantes do PSDB e foi articulado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Um dos principais nomes que avaliza a carta é o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, que estava afastado de Leite desde que o gaúcho intensificou sua aproximação com Kassab

Leia : Alckmin anuncia filiação ao PSB para ser vice de Lula e cita Eduardo Campos

Araújo coordena a pré-campanha de Doria a presidente e hoje é um dos poucos no partido a manter boas relações com todas as alas em meio a um cenário de guerra interna. Além de Araújo, outros ex-presidentes da sigla se manifestaram a favor de Leite: Pimenta da Veiga, Teotônio Vilela, José Aníbal, o deputado federal mineiro Aécio Neves e o senador José Serra (PSDB-SP)

O principal entusiasta do movimento “fica, Leite” é Aécio, que é desafeto do governador João Doria. Aécio tem defendido que Leite concorra à presidência pelo PSDB no lugar de Doria mesmo após o paulista vencer as prévias. Doria ainda não conseguiu se viabilizar nas pesquisas de intenção de voto e sofre com alta rejeição do eleitorado.

Quem são os pré-candidatos à Presidência em 2022 Após anulação das condenações na Lava-Jato, Lula reestabeleceu os direitos políticos e afirmou que anunciará em 2022 se irá concorrer. Foto: Edilson Dantas O presidente Jair Bolsonaro cada vez se mostra mais claramente candidato à reeleição e se filiou ao PL para concorrer no ano que vem. Foto: Isac Nóbrega/PR Sergio Moro se filiou ao Podemos e anunciou estar pronto para "liderar" um projeto para o país. Foto: Fabio Pozzebom / Agência Brasil Terceiro colocado nas últimas eleições, Ciro Gomes quer ser a opção da esquerda para derrotar Bolsonaro em 2022. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil / Agência O Globo O governador de São Paulo venceu as prévias do PSDB em novembro e se tornou oficialmente o pré-candidato à Presidência do partido. Foto: Roberto Casimiro Fotoarena / Agência O Globo Pular PUBLICIDADE O MDB anunciou que vai oficializar em dezembro a candidatura de Simone Tebet, após a senadora chamar atenção na CPI da Covid. Foto: Cristiano Mariz / Agência O Globo 26/06/2021 Após convenção do PSD, Pacheco deu pontapé em pré-candidatura à presidência em 2022 Foto: ADRIANO MACHADO / Reuters O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) lançou a sua pré-candidatura no partido. Foto: Roque de Sá/Agência Senado 19/11/2019 O partido Novo oficializou o nome do cientista político Luiz Felipe D'Avila como pré-candidato do partido à Presidência. Foto: Reprodução / Instagram O Avante lançou o deputado federal de Minas Gerais André Janones como pré-candidato ao Palácio do Planalto. Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados Pular PUBLICIDADE Candidata à vice-presidente da República em 2014, Sofia Manzano, formada em Ciências Econômicas pela PUC-SP e doutora em História Econômica pela USP, é a pré-candidata à Presidência do PCB, partido em que atua desde os 17 anos. Foto: Divulgação Vera Lúcia é formada em Sociologia pela universidade Federal do Sergipe e nunca ocupou cargo político, ainda que tenha se candidatado à presidência pelo PSTU em 2018 e a prefeitura de São Paulo em 2020. Foto: Foto: Romerito Pontes Chama atenção ainda que o documento pró-Leite tem inclusive o apoio de aliados do governador João Doria. Ele, porém, não assinou a carta. Quem o fez foi um dos seus apoiadores mais fiéis: o presidente do diretório estadual de São Paulo, Marco Vinholi

Mas não só. Há ainda outros casos de parlamentares próximos a Doria e que trabalharam pelo paulista nas prévias e que também endossaram a permanência do gaúcho. Foi o caso do deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), da senadora Mara Gabrili (PSDB-SP) e do deputado federal Nilson Pinto (PSDB-PA)

PUBLICIDADE Bancada invisível:  Saiba quem são os deputados federais com mais faltas sem justificativa

O gesto dos aliados de Doria não são por acaso. A entrada de Leite na disputa da terceira via pelo PSD poderia fragmentar mais ainda o campo de centro e dificultar o caminho do paulista

Em um dos trechos do documento, os tucanos dizem a Leite que não admitem a possibilidade de sair do partido em um momento “crucial” da história do país em meio aos “extremos” representado pela polarização entre o ex-presidente Lula e o presidente Jair Bolsonaro.