Economía

Já há três não-candidatos à liderança do PSD

Miguel Poiares Maduro não será candidato ao lugar de Rui Rio. “Não vou alimentar telenovelas: não faz sentido ser candidato a líder do PSD, disse em entrevista ao Observador publicada sexta-feira. O ex-ministro de Passos Coelho junta-se assim a Carlos Moedas e a Paulo Rangel que, sendo apontados como potenciais candidatos à liderança do PSD, já declararam que não estão na corrida

“Sou um outsider . Era impossível, em menos de dois meses, reunir condições para ser candidato”, afirmou Poiares Maduro. O ex-governante não se compromete com um apoio a Luís Montenegro — o nome que tem surgido como mais provável candidato. “Tenho uma boa percepção dele como pessoa”, disse, acrescentando, porém, que ainda desconhece ” muito aquilo que ele pensa”

Entre os nomes mais falados para a sucessão de Rio, Carlos Moedas foi o primeiro a pôr-se de fora. “Os partidos estão a reorganizar-se. Cada um fará como entender. Eu, certamente, estarei fora porque estou naquilo que quero ser, que é presidente da Câmara Municipal de Lisboa”, disse a 10 de Fevereiro, garantias que já repetiu posteriormente

A 17 de Março, em entrevista ao PÚBLICO, Paulo Rangel pôs-se fora da corrida: “Este não é o momento para ser candidato.”

O PSD tem eleições marcadas para 28 de Maio e congresso a 1, 2 e 3 de Julho, no Coliseu do Porto. De acordo com o calendário interno, os candidatos à liderança do PSD têm de se apresentar até ao dia 16 de Maio